quarta-feira, 20 de maio de 2015

Pizza com base de quinoa [desde os 12 meses]



Ontem a L. apoderou-se o meu telemóvel e começou a dialogar com a Siri. Divertiu-se um bom bocado, e quando consegui resgatar o dito, tinha uma página de uma pizzaria qualquer aberta. Ora, que rica ideia para um jantar um dia destes, tipo hoje.

Tive assim uma ideia peregrina de fazer uma massa de pizza, que a base fosse de quinoa. Toca de procurar e não demorei muito a encontrar uma receita de logo me cativou. Como já disse aqui pelo blog, não sou particular fã do sabor da quinoa. Gosto de a misturar com outros cereais para equilibrar os sabores. Esta base, era toda, unicamente, exclusivamente de quinoa. Isto prometia...

A quinoa precisa de algumas horas de preparação. Precisa de demolhar por 6h pelo menos, segundo a autora da receita. Demolhar cereais, sementes e leguminosas tem muitas vantagens. No caso da quinoa, vai amenizar o sabor, diminuir o tempo de cozedura, iniciar a germinação e assim aumentar o valor nutricional da quinoa. 

Citando "isto pode parecer muito tempo e impedi-lo, pense desta maneira: quando estiver a preparar o pequeno-almoço, tira alguma quinoa, coloque-a numa taça, cubra com água e deixe ficar. Depois, quando voltar a casa e estiver a preparar o jantar, escorra, triture e bam. Pizza feita, jantar servido, esforço mínimo."


Base de pizza de quinoa [desde os 12 meses]
(para uma pizza pequena - 2 porções de adulto)


3/4 chávena de quinoa demolhada no mínimo 6h (misturei vermelha e real)
1/4 chávena de água
2 colheres de sopa de azeite
1/2 colher de chá de fermento
1/2 colher de café de sal (muito pouco ou nenhum)


Com robot de cozinha

Pré-aquecer o forno a 200º. Colocar a quinoa demolhada, bem escorrida, no copo, com a água, e triturar por 1min/vel.7. Poderá ser necessário, a meio raspar as paredes do copo com a espátula. Juntar os restantes ingredientes e misturar 20seg/vel.4. Colocar numa frigideira, ou tabuleiro redondo, antiaderente, levemente pincelado com azeite. Despejar a massa na frigideira ou tabuleiro, colocar no forno por 10-12 minutos, virar, compor a pizza com os ingredientes que desejar, e deixar cozinhar por mais 15 minutos. 


Sem robot de cozinha

Pré-aquecer o forno a 200º. Colocar a quinoa demolhada, bem escorrida, numa liquidificadora, com a água, e triturar até ficar bem desfeito. Juntar os restantes ingredientes e misturar por alguns segundos. Colocar numa frigideira, ou tabuleiro redondo, antiaderente, levemente pincelado com azeite. Despejar a massa na frigideira ou tabuleiro, colocar no forno por 10-12 minutos, virar, compor a pizza com os ingredientes que desejar, e deixar cozinhar por mais 15 minutos. 




Optei por fazer a nossa pizza com o meu topping preferido: tomate marinado. Não é preciso molho, é super rápido e fácil de fazer.


Basta picar uma chalota (ou cebola) e um dente de alho. A chalota é preferível à cebola, pois tem um sabor mais adocicado, e na minha opinião neutraliza melhor a acidez do tomate. Temperar generosamente com oregãos e uma pitadinha de sal, regar com azeite e misturar bem. Juntar tomate fatiado, ou aos cubos, envolver bem e deixar repousar. Não necessita de muito tempo, pode-se fazer este preparado antes de começar a massa da pizza.



Basta dispor o tomate na base de quinoa, regar com o molho da marinada. Juntei umas tirinhas de pimento, porque todos gostamos muito cá em casa (T. incluída) e levar ao forno.




Acompanhei com uma salada de alface, e foi assim... das melhores coisas que comi na vidinha. Mesmo. É tão bom, é tão cheio de coisas boas, que era capaz de fazer todos os dias, e comer todos os dias (era capaz de enjoar... ou não).

Não fui a única a apreciar...



Um prato rapado...




Dois pratos rapados... twice! Verdade, a T. comeu duas vezes... e eu também. 

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.