sábado, 7 de fevereiro de 2015

Papas de milho com tamboril [desde os 8 meses] - uma nova experiência





Hoje experimentei fazer papas de milho para o almoço da T. A ideia surgiu depois de me deparar com a dificuldade que algumas mamãs tinham em encontrar farinha de mandioca, sobretudo porque não vivem em Portugal, ou num país onde o consumo seja mais comum. Posto isto, pensei em alternativas. E perguntam vocês: "existe o arroz e as massas..." Certo, mas numa primeira fase acho que devem existir alternativas que resultem naturalmente em papa, como a farinha de mandioca na farinha de pau, e o pão na açorda. Só depois, percebendo a necessidade de mastigação, passar a ingredientes mais granulosos e inteiros. 

Regressando ao cerne da questão, a pensar nas mamãs que não arranjam farinha de mandioca para a farinha de pau, falei com a nossa pediatra, cuja opinião sobre alimentação muito valorizo. Coloquei a hipótese da sêmola de milho, que me respondeu ser uma alternativa viável, apesar de nutritivamente não tão interessante como a farinha de mandioca. De qualquer forma, achei que valeria a pena experimentar, mais não fosse para variar um pouco o cardápio da pequena T. 

Após uma exaustiva pesquisa da forma como devia cozinhar a dita sêmola de milho, deparo-me com inúmeras receitas de xarém algarvio, que (de acordo com a minha exaustiva pesquisa) pode ser feito tanto com sêmola como com farinha. Pois então, qual seria a diferença? O senso comum dizia-me que estaria relacionado com a moagem, a farinha é mais fina e refinada, a sêmola mais grossa e "integral". Isto só poderia resultar numa diferença nas papas: umas mais homogéneas e suaves, as outras com mais texturas e granulosas, correspondentemente. 




Li receitas, vi vídeos, e concluí que não seria uma tarefa árdua transformar as "minhas" farinhas de pau, em papas de milho. Peguei numa das minhas doses de caldo de legumes e tamboril que fiz ontem, e quando estava a ferver adicionei uma colher e meia de sêmola de milho, muito lentamente e sempre a mexer. 




Primeira observação, é precisa muita água no caldo, pois a sêmola absorve instantaneamente a água que existe. Não me arrisquei a parar de mexer perante a velocidade com que a papa engrossou e cresceu, contudo foi um processo rápido, de apenas 3-5 minutos a cozer em lume brando.



Provei antes de dar a T. e só pensei "bolas, não vai sobrar nada para mim outra vez." Acho que a T. comeu as papas de milho em tempo record! Nunca a vi tão desesperada de boca aberta (não tinha assim tanta fome, tinha feito um snack nem uma hora antes). E apesar de sempre dizer que ela come e chora por mais, hoje foi literal, assim que viu o prato vazio corriam lágrima pelo rosto de desconsolo.

Para quem quiser a receitinha de raiz, aqui segue.

Papas de milho com tamboril [desde os 8 meses]
(para 3-4 doses)

1 dente de alho
1/2 alho-francês
1 curgete média
1 cenoura média
3-4 folhas de couve-coração
80-90gr de tamboril

1-2 colheres de sopa de sêmola de milho (para uma dose)
1 colher de chá de azeite extra-virgem (para uma dose)

Começar por fazer um caldo com os legumes e o peixe. Neste caso, ralar a cenoura previamente, para ficar aos pedacinhos pequeninos no caldo.

Cozer os legumes aos pedaços com o peixe por 20-25 minutos, com água a cobrir os legumes. Dividir o caldo pelas doses pretendidas e deixar apenas uma no tacho, com bastante água. Juntar a sêmola de milho gradualmente e sempre a mexer. Levantar fervura, baixar para lume brando e deixar cozer mexendo para não ganhar grumos. 

Assim que a sêmola esteja cozida e com a consistência desejada, retirar do lume. Juntar o azeite, misturar e servir. 

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.